Cadastre-se para ganhar 15% de desconto em sua primeira compra!*

Compartilhe

Se você está em contato com um smartphone o tempo todo e utiliza aplicativos, ferramentas que ajudam a organizar o seu dia a dia, solucionar seus problemas ou até mesmo interagir com pessoas de todos os lugares, então talvez você saiba mais sobre transformação digital do que você imagina.

Depois da febre dos computadores que revolucionaram os anos 90 e 2000, a tecnologia ganhou força nos últimos anos com pequenas telas que vieram parar em nossas mãos, trazendo softwares, aplicativos e redes sociais que aumentaram as possibilidades de contato e interação tanto para o usuário, quanto para marcas, empresas ou qualquer pessoa que deseja divulgar um trabalho, produto ou serviço.

Para entendermos melhor o que é a transformação digital e as mudanças que ela trouxe para o mercado nos últimos tempos, convidamos o André Siqueira, co-fundador da Resultados Digitais, para um bate-papo sobre o assunto.

Afinal, você escolheu o digital ou o digital te escolheu?

Eu me formei em Administração e apesar de me dar bem com exatas, eu não tinha muito esse foco. Eu gostava de resolver problema, lidar com gente, então eu fui mais por essa linha e trabalhei com vendas.

Depois de algum tempo, eu fui estagiar em uma empresa de tecnologia de Florianópolis. Mesmo não tendo um perfil técnico – eu não programo, por exemplo - eu conseguia ver o quanto isso era o futuro, ou melhor, o presente. Então, eu percebia o meio digital como uma tendência que estava crescendo e entendi que tinha interesse e aptidão para viver isso.
Logo após, fui convidado para ser um dos sócios da empresa de tecnologia que estávamos fundando e lá eu fiquei meus últimos dez anos, lidando basicamente com tecnologia para marketing.

Transformação Digital é o assunto do momento, mas muita gente ainda não sabe exatamente o que é. Na sua opinião, como podemos definir este conceito?

É basicamente a empresa entender o quanto o mundo digital evoluiu e mudou comportamentos para conseguir solucionar problemas com ferramentas e meios digitais. Isso ocorre tanto da porta para dentro, ou seja, como a gente lida com a nossa equipe e funcionários, quanto da porta para fora, como o que a gente oferece para os nossos clientes, como a gente resolve o problema deles e de que forma conseguimos alcançá-los para fazer com que eles nos conheçam.

Então, toda essa mudança de mundo que a gente teve com a popularização da internet, primeiro nos computadores e depois dos celulares, nos trouxe um mar imenso de possibilidades e oportunidades, que são muito valiosas para quem consegue entender isso bem e, ao mesmo tempo, são arriscadas para quem não entende e ainda mantém um negócio tradicional, que eventualmente vai perdendo a estrutura por se apegar a regras de mundo que já não existem mais.

Quais foram as principais mudanças que você acredita que a transformação digital trouxe nos últimos dez anos para o mercado?

Para mim, foi um tripé entre aparelhos, conexão e aplicativos que moveram os últimos anos:

• É impossível fugir do acesso que tivemos a ferramentas e softwares, especialmente os smartphones. O lançamento do iPhone trouxe a possibilidade de um celular navegável com touch, sendo a primeira grande revolução ao unir efetivamente celular, navegador, aplicativos e acesso à internet. Posteriormente, veio o lançamento do Android com a compra do Google e a popularização que ele trouxe como uma ferramenta open source. Então, com certeza, os smartphones tiveram um papel significativo na popularização do universo digital.

• Outro ponto foi o próprio avanço das transmissões, onde houve um aumento da capacidade da velocidade de internet e a redução de custos. Hoje, com um plano de dados pré-pago você consegue uma internet relativamente rápida com um preço mais acessível, o que era bem mais difícil há anos atrás. Atualmente, mais 75% da população tem acesso à internet, mesmo na classe D. Em 2019 no meio rural, os acessos passaram de 50%.

• Depois, tivemos também o desenvolvimento das redes sociais. Surgiu a possibilidade de criação de blogs, aplicativos que permitem uma conectividade através de fotos, vídeos, fortalecendo uma construção de audiência e um relacionamento que faz toda a diferença.

O ano de 2020 fez as empresas agilizarem os processos digitais e tecnológicos para sobreviver à pandemia. Você acredita que daqui para frente, as pessoas estarão mais atentas para adaptarem seus negócios ao ambiente digital?

Eu não tenho dúvidas que a pandemia acelerou o processo, mas ela não trouxe algo novo, ela fez com que as coisas andassem mais rápido. O que a gente já tinha de tendência, mas que apresentava uma evolução lenta e gradual, passou a ser imediata e agressiva. As empresas que não adaptaram seus negócios ao ambiente digital, têm grande possibilidade de morrer em pouco tempo.

Eu acredito muito que a tecnologia é um meio, não o fim. Eu não uso a tecnologia por usar, eu uso porque ela ajuda as pessoas, porque ela atende a uma dor, porque ela acompanha um comportamento. Se eu entendo que o comportamento mudou e as coisas mudaram, então eu vou precisar mudar a forma com que eu entrego. E se a forma como eu entrego vai passar por tecnologia, então sem dúvidas é um caminho sem volta.

Com toda essa velocidade da informação e das transformações do digital, você acredita que estaríamos vivendo uma quarta revolução?

Acredito bastante que a gente vive uma nova revolução. Hoje, qualquer pessoa com um celular na mão tem acesso a cursos das melhores universidades do mundo e a conhecimentos que não haviam antes. Qualquer pessoa consegue publicar um conteúdo próprio, se mostrar para o mundo, mostrar um talento, um conhecimento, uma experiência e construir uma audiência.

De fato, a gente vê os influenciadores e marcas fazendo isso e conseguindo se conectarem diretamente com seus públicos, sem precisar mais do intermédio de um canal de mídia. Empresas e ecossistemas inteiros estão surgindo e impactando o mundo e isso é muito poderoso. Por isso, eu não tenho dúvidas do potencial da transformação digital e o impacto disso em como a sociedade opera e como funcionam as organizações.

Se você ainda tem dúvidas sobre como a tecnologia e suas ferramentas facilitam a nossa vida, então a gente te conta um segredo: esta entrevista com o André foi toda gravada por áudios no WhatsApp e transcrita por um aplicativo. Não é curioso?

Fique de olho por aqui para acompanhar mais novidades nos universos de inovação!